3.4 // SAÚDE

Apnéia do sono acomete 8% da população mundial

 - REVISTA MAISJR

(Crédito: Reprodução) 

Talvez você não deva saber, mas a apneia é um problema a ser tratado de forma multi-disclipinar. Na maioria dos casos quem consegue resolver a questão é o cirurgião buco-maxilo-facial, e não o otorrino. Trata-se de um problema grave que acomete cerca de 8% da população mundial, e o pior é que quase 80% não sabe que tem, aponta Dr. Alessandro Silva, cirurgião buco maxilo facial, da Maxilart.

A apneia gera muitos desconfortos como sonolência diurna, sensação de cansaço e noites mal dormidas, o que pode resultar até mesmo em acidentes de carro ou com máquinas. Além disso, a doença também aumenta o risco de infartos, a pressão arterial -entre outras complicações. A má qualidade do sono impacta no dia-a-dia e também pode levar a ganho de peso e  perda de massa magra.

O primeiro passo é identificar a apneia com o exame de polissonagrafia, que monitora o sono. Para trata-la, é necessário também realizar a nasofaringoscopia para entender qual é o grau de deformidade, que pode ser naso, opo ou hipofaringe. Assim, seja qual for a determinação, será necessária a intervenção do cirurgião buco-maxilo-facial.

A apneia caracteriza-se principalmente pela interrupção temporária da respiração durante o sono. A causa, na maioria das vezes, é uma obstrução, que pode ocorrer devido a deformidades faciais, como maxilas retraídas, excesso de peso, complicações na cavidade nasal -entre outros. Também existe a parada respiratória causada por motivos neurológicos, quando os impulsos não comandam o diafragma. Assim, consultar um neurologista também é fundamental dentro do tratamento multi-disciplinar

Na cirurgia, o especialista irá reposicionar os maxilares para desobstruir as vias aéreas, liberando espaço e gerando conforto para o paciente. A melhora é bastante significativa.

saiba antes via instagram @revista.maisjr