3.1 // LGBT

Boa notícia: Países que permitem união homoafetiva mais que triplicaram em 10 anos

Ficamos muito felizes com uma notícia que conferimos na tarde desta sexta-feira na Agência Brasil! Hoje é o Dia do Orgulho LGBTI – para quem ainda não se familiarizou com a sigla: lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e pessoas intersex). A data mundial marca os 50 anos do episódio ocorrido em Stonewall. E, neste dia mais do que festivo, conferimos uma notícia no Agência Brasil que nos deixou muito felizes. NENHUMA DÉCADA TEVE AVANÇO TÃO RÁPIDO NOS DIREITOS HOMOAFETIVOS NO MUNDO QUANTO OS ÚLTIMOS 10 ANOS.

Desde que lésbicas, gays, bissexuais e transexuais reagiram à violência da polícia de Nova York contra o bar Stonewall, 54 países que permitem casamentos ou uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, 39 implementaram a mudança entre 2009 e 2019, período em que o reconhecimento das uniões homoafetivas mais do que triplicou no mundo.

A Associação Internacional de Gays, Lésbicas Bissexuais, Transgêneros e Intersexuais (Ilga) contabilizava em 2009 sete países que permitiam o casamento entre pessoas do mesmo sexo (Bélgica, Holanda, Noruega, Espanha, Suécia, Canadá e África do Sul) e oito (Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Islândia, Suíça, Reino Unido, Nova Zelândia e Colômbia), a união civil, com todos ou praticamente todos os direitos do casamento. No levantamento de 2019, divulgado em maio, já chegava a 26 o número de países que permitia o casamento civil e a 27 os que previam união civil. A lista cresceu este mês com a aprovação do casamento homoafetivo pelo Equador. 

Viva a diversidade!

saiba antes via instagram @revista.maisjr