3.1 // LGBT

Curso sobre comunicação LGBT aborda grupo e termos para serem substituídos

Na manhã do último sábado (7), em uma sala pequena, com clima despojado e um grupo reduzido de participantes, os ministrantes do curso de “Marketing e Comunicação: como não pisar na bola com LGBTs?” iniciaram o workshop de três dias com a realização de uma dinâmica sobre privilégios sociais e econômicos. Ainda, foram pautados tópicos como o tratamento da mídia em relação a lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis e termos para serem substituídos em notícias.

O colunista do jornal Sul21 Gabriel Galli deu abertura ao curso com um exercício prático que tinha o propósito de provocar e levar o público à reflexão sobre o tema. Na ação, inspirada em um vídeo do portal BuzzFeed, o coordenador-geral do grupo Somos fez perguntas sobre diferentes situações de vida, na qual quem passava por momentos ruins regredia casas e, quem vivenciasse boas situações, avançava. Segundo o jornalista, a finalidade da dinâmica é perceber as grandes diferenças socioeconômicas entre os membros da sociedade.

Os integrantes discutiram a forma em que as marcas estão adotando temas LGBT. Segundo Galli, apesar da atitude ser importante, em alguns casos o discurso empregado pelas empresas é feito de maneira errônea, utilizando-se termos que reproduzem preconceitos. Como exemplo, o profissional citou a palavra homossexualismo, que remete a doenças e deve ser substituída por homossexualidade. Ao se referir às pessoas transgêneras, alertou sobre a sensibilidade dos comunicadores não perguntarem para elas a respeito de antes da transição.

No workshop, conduzido em conjunto pelo assistente de Atendimento da Paim Marcos Dantas e pelo jornalista da revista do Instituto Humanitas Unisinos (IHU) Vitor Necchi, também foram abordados assuntos como o movimento histórico LGBT e o casamento homossexual no Brasil e em outros países. A próxima aula, conforme adiantado pelos orientadores, será focada em cases positivos e negativos de campanhas publicitárias e propagandas do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar).

saiba antes via instagram @revista.maisjr