2.6 // POP & MÚSICA

Curso sobre comunicação LGBT debate cases de ações inclusivas

Campanhas publicitárias sobre a comunidade de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis realizadas de maneira positiva e negativa formaram a temática que encerrou o curso ‘Marketing e Comunicação como não pisar na bola com LGBTs’. Durante a manhã de sábado, 28, os participantes discutiram os cases trazidos pelo assistente de Atendimento da Paim Marcos Dantas.

Para abrir a conversa, Dantas mencionou uma declaração feita pelo presidente da marca de massas Barilla, Guido Barilla, em 2013, quando afirmou que jamais usaria casais do mesmo sexo em suas propagandas. Como resposta, na época, a concorrente Bertolli desenvolveu uma ação que promoveu a união de casais homossexuais. No entanto, foi a única manifestação da empresa, pois, depois, não realizou mais nenhum trabalho voltado ao público.

As marcas de cosméticos Avon, Boticário e Natura também foram exemplos. De acordo com o publicitário, a segunda foi responsável por inaugurar as campanhas com personagens LGBTs, em 2015, com um vídeo para o Dia dos Namorados, no entanto, não criou mais nenhum trabalho do tipo. Enquanto isso, a Avon e a Natura se mostraram, segundo Marcos, exemplos sólidos de empresas que mantiveram uma constância em seus projetos, apresentando com frequência questões sobre minorias sociais em vídeos e anúncios, como nos filmes ‘Dona dessa beleza‘ e ‘Simpatia para amarrar amor‘.

Em parceria com o jornalista do Instituto Humanitas Unisinos (IHU) Vitor Necchi, Dantas reforçou a importância de buscar construir um legado pessoal na Publicidade, por meio de ações que sejam inclusivas. Para ele, a coragem é fundamental para propor pautas e a busca pelo conhecimento é necessária para se concretizar projetos bem feitos. A programação foi encerrada com a mensagem de que cada vez mais as marcas estão se preocupando em apoiar causas com fins sociais, mas que o resultado disso pode levar tempo para ser visto.

saiba antes via instagram @revista.maisjr