3.4 // SAÚDE

Dermatologistas alertam sobre o uso de produtos prejudiciais à saúde dos cabelos e da pele


Época de férias, viagens e festas e muita gente busca investir no visual. Não faltam opções e novidades para cabelos e pele. Mas você conhece os riscos de certos produtos para a sua saúde? 

Os fios de cabelo como são composto de proteínas, basicamente de queratina. Para que ocorra uma mudança na estrutura das fibras, ou seja, para que haja transformação de um cabelo crespo ou ondulado em um liso é necessário o rompimento de certas ligações (chamadas de dissulfeto). “Para isso podem ser utilizados diversos tipos de produtos como tioglicolato ou mesmo o formol que agem quebrando as ligações de enxofre. Assim, o formato espiralado desaparece e se forma o liso. É importante salientar que a Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), proibiu desde 2009 o formol como agente alisante. Este produto é um conservante e deve ser usado como tal em concentraçõesmáximas de 0,2%. Quando utilizado como alisante traz sérios riscos a saúde de quem aplica e de quem recebe”, alerta o dermatologista tricologista Dr. Felipe Chediek, de Balneário Camboriú ( SC). 

Há uma semana surgiram relatos na mídia de morte de mulher em São Paulo devido à realização de escova nos cabelos a base de formol – o que reacendeu o alerta sobre o assunto.  

“Alisantes proibidos como o formol ou o ácido fórmico, o glutaraldeído, o ácido glioxílico, levam a situações incontroláveis e imprevisíveis, uma vez que com o passar do tempo e sessões os cabelos vão se degradando, pela acidificação capilar. Sem contar os perigos à saúde, podem causar, em raros casos, até a morte. Grande parte das vezes vamos ter uma quebra por volta da terceira ou quarta sessão, quando a formação de pontes metilênicas – no caso do formol – e de pontes etilênicas – no caso do ácido glioxílico – estimulam a formação de ácido cistêico, que gera um desequilíbrio físico-químico à fibra, diminuindo sua resistência mecânica a outros processos químicos, como colorações e clareamentos. Fique sempre atento aos sintomas de uma possível alergia: como coceira, ardência, aparececimento de manchas vermelhas no couro cabeludo, procure um médico. Procure usar apenas produtos que tenham o aval da Anvisa”, destaca Dr. Felipe Chediek.  

O dermatologista Dr Rodrigo Pirmez, um dos autores do livro recém lançado “Hair and Scalp Treatments” explica o que é o formol, problemas oriundos de seu uso e quais sintomas de que o produto está agredindo a saúde.  

– O que é o formol? 

“O formol tornou-se popular como produto de alisamento dos cabelos no início dos anos 2000. O fato de ele ser compatível com cabelo descolorido, pode ser feito em cabelos que já receberam outros tipos de alisamento e conferir brilho aos fios fez sua popularidade crescer rapidamente. No entando, devido as evidências de malefícios a saúde ele foi proibido para esse fim e atualmente só é liberado na concentração de 0,2% como conservante em cosméticos ou até 5% como endurecedor de unhas em esmaltes”, explica Dr. Rodrigo. 

– Por que ele é prejudicial para a nossa saúde? 

“O formol em altas concentrações pode causar irritação da pele, olhos e vias respiratórias. Dependendo do grau de exposição, pode ocorrer intoxicação do organismo e pode ser fatal. A exposição prolongada à substância já foi relacionada a maior risco de câncer de vias respiratórias e hematológico”.

– Quais são as alternativas para fazer progressiva sem formol? 

“Existem outros produtos que também podem alisar, sem contar o formol. Produtos conhecidos são o tioglicolato e os hidróxidos de sódio e guanidina, por exemplo. A recomendação atual é procurar no site da ANVISA e o produto a ser utilizado possui registro que o libere para alisamento (basta procurar pelo número do processo na embalagem e digita-lo no site da ANVISA)”, alerta o dermatologista que dirige clínica de tratamentos para cabelos e couro cabeludo em Ipanema ( RJ).

– Quais são os sintomas de uma intoxicação pelo formol?

“Por contato com a pele: queimadura, irritação e alergia com sensação de coceira, descamação e vermelhidão do couro cabeludo e queda de cabelo

Por contato com os olhos: Ardência e lacrimejamento

Por inalação: ardência, coriza, coceira, falta de ar, tosse, dor de cabeça

A longo prazo: sensação de boca amarga, dores de barriga, enjôo, vômitos, feridas na boca, nariz e olhos.

Importante: O uso indevido do formol já foi relacionado a diferentes tipos de câncer (boca, narinas, pulmão, traqueia.)”, detalha dr Pirmez.  

– Como identificar que dentre os produtos químicos usados na escova progressiva não tem formol (mts vezes profissionais de beleza dizem que não tem, mas tem)? 

“A recomendação atual é 1- Procurar o registro/número do processo do produto no rótulo; 2- Entrar no site da ANVISA e verificar se o produto está listado como alisamento. Vale lembrar que a adulteração de um produto (adição de formol) pelo profissional é uma infração sanitária”, destaca.   



saiba antes via instagram @revista.maisjr