3.0 // MANUAL

Drag queen amazônica procura defender a mata e os animais

Emerson Munduruku, é um amazonense, descendente de indígenas e biólogo.. A drag queen Uýra Sodom ensina sobre o meio ambiente, especialmente por meio de viagens que faz à comunidades fluviais.

O trabalho de Munduruku foi reconhecido, em 2017, com o vencimento da edição manauara do concurso de drag queens Rival Rebolado. De acordo com o Hypeness, Uýra demora cerca de duas horas para ficar pronta. A maquiagem utilizada tem sempre elementos provenientes da natureza. Sua transformação pode contar com ramagens, sementes, conchas, folhas e flores.

Sendo assim, o visual de Uýra Sodoma está em constante adaptação e mudança, bem como a natureza.

A partir daí, Emerson deu vida ao que ele define como Árvore que Anda. Na capital amazonense, a drag anda montada no transporte público e faz de tudo para levar o debate ambiental, ao mesmo tempo que se afirma como LGBT, para a população. Para quem é de longe, o trabalho pode ser acompanhado pelo Instagram:

View this post on Instagram

em carne de Bicha e Planta me montar é uma viagem constante de reconhecimento do corpo que vivo. Acho que a gente se engana quando diz que já conhece tudo sobre nosso corpo. Ele é um mundo de lugares fantásticos e autênticos, mas muitos deles permanecem inexplorados porque são locais que nos foram proibidos. Não falo apenas da experimentação artística ou sexual, mas de todas as possibilidades sensoriais como o auto toque ou simplesmente a parada, na frente um espelho, para olhar e amar o nosso corpo nu. Os padrões de beleza e tabus sociais nos ensinaram a odiar o corpo real, o nosso corpo. Nos treinaram e desenvolveram produtos para apertá-lo, escondê-lo e maltratá-lo, criando em nossa intimidade incômodos que doem. A gente adoece quando não sente o nosso corpo. Me montar de Uýra tem sido Cura constante e necessária. Modifico o meu corpo para viver coisas novas, para aprender mais sobre mim e me sentir mais Viva. Me monto em casa, em praças públicas, na casa de amigas. É um ato sozinha ou na frente de pessoas, como proponho em minha performance “Criação Assistida”. Geralmente começo pelo olho, zona de maior impacto no contato com o outro; depois sigo para os contornos e boca, dando-lhes proporções e elementos não-humanos, cujo resultado impacta, seja incomodando ou encantando. Foto Selma Carvalho Maia Registro da performance na abertura da exposição Bicho Urbano, da mana Chermie Ferreira @chermieferreira @selmacmaia #uyra #dragqueen #dragqueer #drag #drags #dragnight #clubkid #amazonia #queens #amazon #makeupartist #makeup #tropical #forest #fashion #performer #brazil #dragrace #maquiagem #plants #plantas #monster #art #instadrag #bruxa #maconha #photography #querrrkout #amazonas #qwerrrk

A post shared by • UÝRA 🍃 Árvore que Anda (@uyrasodoma) on

saiba antes via instagram @revista.maisjr