3.1 // LGBT

Egito estaria promovendo “caça aos gays” segundo Anistia Internacional

Seis egípcios foram presos por “promover desvios sexuais” e “devassidão” nas mídias sociais serão submetidos a exame anal antes do julgamento em 1º de outubro, informou neste sábado a Anistia Internacional.

A prisão deles faz parte de uma ampla repressão contra a homossexualidade iniciada na semana passada, quando um grupo de pessoas foram vistas levantando uma bandeira de arco-íris em um show, em uma rara demonstração de apoio aos direitos de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros naquele conservador país muçulmano.

Ao menos 11 pessoas foram detidas, de acordo com a Anistia Internacional, e um homem foi sentenciado a seis anos de prisão após a mídia local lançar uma campanha altamente crítica contra aqueles que levantaram a bandeira de arco-íris na apresentação da banda libanesa de rock alternativo Mashrou’ Leila, cujo vocalista é abertamente gay.

A Anistia Internacional ainda informou que a Autoridade de Medicina Forense submeteria os seis homens a exame anal para determinar se tiveram sexo homossexual.

Fontes da justiça disseram que qualquer réu acusado de “devassidão” ou “desvios sexuais”, um eufemismo para homossexualidade no Egito, é submetido a exame médico baseado em decisão da Promotoria Pública.

Embora a homossexualidade não seja especificamente proibida, o Egito é uma sociedade conservadora, onde a discriminação é abundante. Homens gays são frequentemente presos e normalmente acusados de devassidão, imoralidade e blasfêmia.

EXAME

saiba antes via instagram @revista.maisjr