3.1 // LGBT

Escolas terão que combater homofobia

Foi aprovado, na quinta-feira 15, pela Câmara dos Deputados, o Programa de Combate à Intimidação Sistemática, nome pomposo dado ao velho e terrível bullying.

A redação final aprovada, de autoria do deputado Efraim Filho (DEM-PB), define bullying como “todo ato de violência, física ou psicológica, intencional e repetitiva, que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, causando dor e angústia.” Por inclusão mesmo implícita, a homofobia é abarcada na proposta.bullying_homofobico_programa_escolas_educacao_brasil

De acordo com Agência Câmara Notícias, o projeto não prevê punição aos agressores, mas privilegia mecanismos e instrumentos alternativos que promovam a efetiva responsabilização e a mudança de comportamento hostil. Além disso, prevê a adoção de medidas para evitar e combater o bullying praticado por alunos, professores e outros profissionais integrantes de escola e de comunidade escolar.

O programa, que vai à sanção da presidente Dilma Rousseff, determina que estabelecimentos de ensino, clubes e agremiações recreativas criem medidas de conscientização, prevenção e combate à violência e à intimidação sistemática (bullying).

O texto define que a prática de bullying é caracterizada por intimidação, humilhação, discriminação, ataques físicos, insultos pessoais, comentários sistemáticos e apelidos pejorativos, ameaças por quaisquer meios, expressões preconceituosas, dentre outras atitudes.

saiba antes via instagram @revista.maisjr