3.0 // MANUAL

KIT GAY é criado e deve ser muito usado no Carnaval 2019

 - REVISTA MAISJR

Kit Gay Foto: divulgação

O KIT GAY foi uma notícias bastante comentadas de 2018. Mesmo sendo uma mentira, ele ganhou manchetes e gerou muita discussão em torno do tema. Ele também inspirou o empreendedor Douglas Negrisolli quis criar um produto que tirasse todo tom negativo. O KIT GAY será comercializados para o Carnaval de 2019 e deve enfeitar foliões. O produto contém stickers, tatuagens temporárias e o pop glitter.

 “Toda essa história acabou criando uma aura negativa em torno da comunidade LGBTQ. Nos ligando a valores e pensamentos que não correspondem à realidade. Ao criar esse produto, pretendo ressignificar o termo e tirar dele todos os aspectos negativos por meio de algo divertido. Além de ajudar pessoas que sofrem violências físicas e psicológicas ou abandono por ser assumirem gays. Isso porque parte do valor da venda do produto será destinada para ONG que prestam esse tipo de serviço. O KIT GAY também é uma maneira da gente dizer que nós, os gays, estamos aqui e não iremos sair ou nos esconder da sociedade.”, explica.

A ideia é que o KIT não fique só no Carnaval e ganhe também espaço em baladas, festas, paradas LGBTQ e outros eventos. Ao comprar o kit, o consumidor não sabe quais adesivos ou tatuagens estão dentro. Segundo Douglas, esse é também um dos aspectos divertidos do produto, estimulando a troca e aproximação de outras consumidores. Os desenhos são compostos por lhamas fofas, corações em forma de arco-íris, mensagens positivas, entre outros. A ideia é que eles sejam renovados de tempos em tempos também

A caixinha do KIT GAY custará R7,99 + frete e terá em seu interior 3 stickers, 4 tatuagens adesivas temporárias. O sachê com pop glitter (ele vem em formato gel). A comercialização será feita por meio do site do produto (www.kitgay.com) para consumidor final ou varejistas, estes com preço diferenciado pra revenda. A expectativa do criador do KIT GAY é vender 30 mil unidades até o Carnaval. As ONGs irão receber parte do valor obtido com a venda.

Douglas não pretende comercializar o kit somente no Brasil. A ideia é que em até um ano, ele também ganhe espaço e atinja consumidores de outros países. O plano inicial é que o produto seja vendido na Parada LGBTQ de São Francisco ainda em 2019.

saiba antes via instagram @revista.maisjr