3.3 // BELEZA

Pele ressecada no inverno? Confira estas dicas!

O clima muda e se torna mais frio e seco nessa época do ano. Essa redução da umidade do ar predispõe ao ressecamento, além disso a tendência é tomarmos banhos mais quentes e demorados, o que também prejudica a pele.

“O frio leva a uma diminuição da transpiração corporal e, principalmente quando associado a uma baixa umidade, pode levar ao ressecamento excessivo da pele, aumento da sensibilidade e diminuição da sua capacidade de regeneração e da efetividade da sua função de barreira, inclusive tornando a pele mais vulneráveis a ação de agentes externos, como a poluição”, explica o dermatologista Dr. Franklin Verissimo, de Fortaleza (CE).

Há também fatores externos que podem ressecar a pele.  “ A pele pode ficar ressecada devido a fatores externos, como condições climáticas, exposição a radiação ultravioleta, rotina de cuidados inadequada, uso excessivo de sabonetes ou outros produtos químicos, poluição, medicamentos etc., e internos, como por exemplo algumas doenças como psoríase e dermatite atópica, idade, influencia genéticas e hormonais, dieta e tabagismo”, alerta Dr. Franklin.  

A aparência e textura da pele ficam modificadas quando ficam ressecadas. “A pele ressecada fica áspera, grossa, vermelha e com descamação. Em indivíduos com dermatite atópica aparecem placas esbranquiçadas cheias de pontinhos mais aparentes e ásperos, a famosa Pitiríase alba. Além disso a pele ressecada tende a coçar muito, isso faz com que o paciente venha a desenvolver infecções com mais facilidade”, alerta a dermatologista Dra. Fabiana Seidl, do Rio de Janeiro.   

“Pessoas com a pele seca não possuem a barreira da pele íntegra, perdendo água com mais facilidade. Isso pode acontecer principalmente por fatores genéticos, como é o caso de indivíduos com dermatite atópica ou ictiose, ou por fatores hormonais, como na menopausa ou hipotireoidismo.A pele ressecada acaba sendo uma consequência, um sintoma, e acontece em indivíduos com a pele seca ou mesmo com a pele normal ou oleosa”, explica Dra. Fabiana.  


A dermatologista Dra. Fabiana Seidl dá cinco dicas para previnir e tratar a pele ressecada: 

1- usar sabonetes que não agridam a pele, os chamados Syndet, que possuem um ph mais fisiológico.

2- tomar no máximo 2 banhos por dia, evitar banhos quentes e demorados.

3- hidratar a pele assim que sair do banho, com a pele ainda um pouco úmida. Recomendo deixar o hidratante no box mesmo, para não esquecer.

4- Ingerir cerca de 2 litros de água por dia. A ingestão de líquidos é fundamental para manter a saúde da pele.

5- Atualmente tenho incorporado o uso do lipowheat para os meus pacientes de pele seca, com ótimos resultados. É um composto derivado da porção oleosa do trigo, em gotas, que ajuda a evitar o ressecamento da pele.

A médica explica que o tratamento da pele ressecada consiste basicamente na mudança de hábitos e no uso do hidratante de forma correta. “O ideal é escolher hidratantes sem fragrâncias ou conservantes, que possuam ativos calmantes  com alto poder de hidratação. Existem também hidratantes que possuem probióticos e ajudam no equilíbrio da flora da pele. Recomendo sempre buscar a opinião do médico antes de comprar um produto por conta própria”, explica Dra. Fabiana. 

Para Dr. Franklin Verissimo vale investir em tratamento em consultório, feito por dermatologista.   “Recomendo a aplicação intradérmica de produtos a base de ácido hialurônico ajuda muito a hidratar a pele, melhorando drasticamente a qualidade, o viço, a luminosidade e a textura”, destaca o médico.  

saiba antes via instagram @revista.maisjr