3.5 // SEXO

Só na “brotheragem”?

Por mais que a sociedade insista em enquadrar o comportamento humano em “nomenclaturas específicas”, principalmente quando envolve sua sexualidade”, classificando-a em hétero, homo ou bissexual, a sexualidade humana é mais fluída do que se imagina.

 - REVISTA MAISJR

Desde os primórdios das civilizações há relatos de relações homoafetivas. Com o passar dos séculos, e consequente domínio do catolicismo no Ocidente, essa prática sexual foi, por muito tempo, marginalizada e criminalizada. O que não significa que elas tenham sido extintos, muito pelo contrário.

Sempre às escondidas, como ainda é bastante comum hoje em dia, vários homens que levam vidas heterossexuais, casados com mulheres e pais de família, ainda recorrem àquele alívio básico com outro homem, assumidamente homossexual ou não.

Mas seriam esses homens necessariamente gays ou bi; ou apenas “héteros curiosos”? Seja como, informações do jorna “Metro” dão conta de que o “bro-job“, ou boquete amigo, tem feito sucesso entre homens que não se consideram gays, mas curtem ser chupados por pessoas do mesmo sexo.

Ainda segundo o noticioso, existem até aplicativos para facilitar esse tipo de encontro. Em relatos anônimos ao Metro, homens gays disseram que, na maioria das vezes, os héteros querem aliviar alguma frustração sexual. Esses caras são geralmente tachados como “homosexuais enrustidos”.

E aí, qual sua opinião?

 

 

Foto: Reprodução

Fonte: A capa

saiba antes via instagram @revista.maisjr