3.1 // LGBT3.5 // ESPORTE

Torcedores LGBT+ estão preocupados com ameaças antes da Copa

Muitos membros da comunidade LGBT+ estão preocupados com a segurança durante a Copa do Mundo na Rússia. O país é conhecido por ter uma legislação que condena a ‘propaganda homossexual’ e onde ocorrem diversos casos de sequestro e tortura de homossexuais, como foram denunciados na República russa da Chechênia.

O presidente da Pride in Football – organização que reúne vários grupos de torcedores homossexuais do Reino nido – Di Cunningham,  afirmou após uma entrevista à imprensa russa que recebeu mensagens anônimas ameaçadoras, incitando-o a não viajar para o país durante o campeonato.

As mensagens

Em uma delas um anônimo ameaça agredir os torcedores gays que viajarem para Rússia, além de enviar uma foto de um homem tatuado segurando uma faca. Em outra, o autor, que se diz advogado, afirma que a organização “sodomita” está na mira da polícia russa e que seria melhor não viajar para o país.

Apesar de toda essa confusão, as ameaças não desanimaram Di Cunningham e Joe Wright, um estudante de Direito que trabalha para a organização. “Quero apoiar minha equipe e garantir uma presença LGBT, mesmo que seja mínima. É um país hostil a esta comunidade”, explicou Di Cunningham na entrevista.

 

A Federação Esportiva LGBT russa colabora com a organização antidiscriminação internacional FARE para criar “casas de diversidade” em Moscou e São Petersburgo durante a Copa. Estes espaços protegidos receberão exposições e os torcedores homossexuais poderão se reunir nos locais para assistir juntos aos jogos.

As tentativas russas de tranquilizar os torcedores homossexuais não parecem suficientes para convencer alguns amantes de futebol.

 - REVISTA MAISJR

Foto: Reprodução

saiba antes via instagram @revista.maisjr