3.1 // LGBT

Vereador muda discurso e pede desculpas em Maceió

A sessão ordinária da Câmara Municipal de Maceió desta terça-feira (17) esteve lotada para ouvir o pronunciamento do vereador Ronaldo Luz, do PMDB, que semana passada causou polêmica ao classificar a homossexualidade como uma patologia, ou seja, uma doença.

Em uma fala curta, e repetindo parte do teor de uma nota oficial enviada pela assessoria dele na manhã desta terça, o vereador mudou o tom, pediu desculpas à sociedade, e tentou apontar suas críticas agora à Rede Globo de Televisão que, segundo o vereador, teria atrações com teor que banaliza a sexualidade.

O vereador pediu desculpas nominalmente ao Arcebispo Metropolitano de Maceió, Dom Antônio Muniz, que classificou as declarações de Ronaldo Luz como “incitação ao ódio”.

“Não gostaria de ficar nesse tema polêmico, porque não leva a lugar nenhum. Quero pedir à sociedade maceioense, à sociedade alagoana. Se ofendi quero pedir minhas desculpas. Quero pedir desculpas também ao Arcebispo Antônio Muniz peal forma como foi entendida por quem interpreta quando falei na quarta-feira da semana passada”, disse o vereador, direcionando os ataques à Rede Globo.

“O meu tema de quarta-feira eu queria exatamente era repudiar a TV globo com seus programas e novelas, que levam a uma informação banalizando a sexualidade. Esse sim era o tema principal. Sou uma pessoa altruísta nato. Homem trabalhador e honesto”, continuou Luz.

Em seguida, diversos colegas de plenário pediram a palavra num coro de apoio a Ronaldo. Sem citar o nome, todos se colocaram contra um “vereador que usou as redes sociais para se aproveitar da polêmica”, se referindo provavelmente à vereadora Tereza Nelma se colocou publicamente contrária à postura de Ronaldo Luz.

Única vereadora a repudiar publicamente as falas de Ronaldo Luz, Tereza Nelma respondeu aos ataques velados. Mas a política da boa vizinhança a fez ponderar e também parabenizar o colega pelo pedido de desculpas.

“Na semana passada eu disse que suas falas me surpreendiam, por todo seu comportamento nesta Casa. Não preciso estar de cochicho, sempre assumi que defendia direitos humanos. Mas quando na quarta-feira, eu ouvi o discurso do vereador, me surpreendeu, ver o vereador falar de algo que há 27 anos foi tirado do hall de doenças, pelo Organização Mundial de Saúde. Não tenho receio, repetiria tudo de novo, se fosse necessário”, disse a vereadora do PSDB.

saiba antes via instagram @revista.maisjr